Um é pouco: saiba tudo sobre a gestação de gêmeos

Esperar mais de um filho tem que ser alegria em dobro, não só preocupação!

Categorias

Compartilhe

A gravidez de gêmeos é uma surpresa por si só: são poucas as mulheres que desde o início da gestação esperam ter mais de um bebê – ainda mais quando se fala em tri ou quadrigêmeos! Mas acredite: gestações múltiplas são mais comuns do que se imagina, só que, claro, possuem diferenças em relação à gravidez de um único bebê.

A começar pelo peso, talvez uma das maiores dificuldades das mulheres na hora de gerar um bebê. Segundo a ginecologista e obstetra Heloisa Brudniewski, filha de Olga e José, as mães de gêmeos ganham mais peso justamente porque tem mais um bebê na barriga e também porque precisam comer por três ou mais. “Prematuridade, dores no corpo, principalmente na região lombar, são mais intensas do que o habitual. Algumas doenças, como diabetes, hiperemese gravídica e pré-eclâmpsia também são mais frequentes”, explica ela.

Isso significa mais visitas ao obstetra, que vai acompanhar de perto a evolução dos bebês e da gestação em si, até porque, o risco de complicações é maior também. “Quando são duas placentas, ou seja, uma para cada feto, a gestação tende a ter menos riscos de complicações. Em gêmeos não idênticos sempre existem duas placentas, no caso de gêmeos idênticos de 10 – 15 % tem placentas separadas”, diz a enfermeira obstetra Cinthia Calsinski, filha de Marcelo e Evani.

O ponto principal é a intensidade maior dos sintomas da gravidez. Se quem espera um único bebê sente enjoos leves na primeira quinzena, a mãe de gêmeos pode ter enjoos muito fortes seguidos de vômitos, por exemplo. Além disso, existe um desconforto extra por conta do crescimento dos bebês: “Os órgãos internos, como coração, estômago e intestino, precisam se realocar dentro do corpo para abrigar o crescimento uterino, e isso pode ser mais incômodo e algumas vezes doloroso”, completa Cinthia.

 

-Publicidade-

Cuidados especiais

É um fato que ter mais de um bebê na barriga vai, por consequência, gerar mudanças maiores no corpo e mais cansaço na mulher. Saber como medir suas energias e reservar bastante tempo para descansar é essencial para que a gravidez corra sem problemas.

Nesses casos, o pré-natal é importantíssimo: não só o médico precisa pensar nos dois (ou mais) bebês que estão sendo gerados, como também na saúde da mãe – existe um monitoramento mais rígido da pressão arterial e também do comprimento do colo do útero.

Por causa do avanço da tecnologia e dos tratamentos contra a infertilidade, gestações de gêmeos são mais comuns, assim como os cuidados para esses casos específicos. Como a chance de nascimento prematuro é maior, o que se mantém constante independentemente das tecnologias é a frequência das consultas: o espaço entre uma e outra é menor e os exames são refeitos em maior número também. Tudo para garantir que mãe e filhos estejam com saúde!