Dengue: Ministério da Saúde alerta para surto da doença em 11 Estados

Regiões Nordeste e Sudeste são as áreas de maior risco

Categorias

Compartilhe

Fique atento: de acordo com o Ministério da Saúde, Espírito Santo, Rio de Janeiro e nove estados do Nordeste podem ser alvo de um surto de dengue a partir de março deste ano. Em entrevista à TV Brasil, Rodrigo Saidí, coordenador de Vigilância de Arbovirose do setor governamental,  a dinâmica da transmissão da doença é que pode ocasionar o surto nessas regiões. Hoje há quatro sorotipos da dengue e quando ocorre alteração do padrão de circulação, também aumenta o número de transmissões.

“A mudança no padrão de circulação, que está acontecendo agora nesses dois estados [Espírito Santo e Rio de Janeiro], e a possibilidade de isso ocorrer nos estados do Nordeste, em 2020, apontam para um cenário de risco”, disse o especialista. Ele também explica que o período favorável ao aumento de casos da dengue no Brasil, que começou em novembro de 2019, vai até o próximo mês de maio, época de chuvas volumosas em grande parte do país.

Dengue: número de casos nas regiões Nordeste e Sudeste deve aumentar com a chegada das chuvas (Foto: Unsplash)

Saidí afirma que 80% dos criadouros do mosquito estão dentro das residências, por esse motivo, alerta sobre a importância de haver integração entre as políticas públicas de governo e a mobilização da própria população. Ele diz ainda que o controle deve ser feito porque, nesta época do ano, o mosquito completa seu ciclo de reprodução em 10 dias. “É importante estar atento à caixa d’água, se ela está aberta ou não, à limpeza das calhas, à verificação permanente da presença de água em bandeja de ar-condicionado, na bandeja da geladeira, os pratinhos de vaso de planta; acondicionar adequadamente aqueles produtos que estão nos quintais, como garrafas e latas”, explica Saidí.

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, em 2019, o Brasil registrou mais de 1.544 casos de dengue e 782 mortes em decorrência da doença. O número de óbitos representa aumento de 488% em relação a 2018, ano considerado atípico pelo órgão governamental. Os dados de registro de zika ainda estão baixos no Brasil; mesmo assim o alerta de cuidado para gestantes continua porque o vírus do Zika ainda está em circulação por todos os Estados do país, menos no Acre. O Ministério da Saúde também descarta um surto da chikungunya, este ano, no Brasil.

 

-Publicidade-

Sintomas da dengue

Os primeiros sintomas da dengue febre alta (39° a 40°) de início abrupto com duração de até 48h. A febre pode estar associada a dor de cabeça, dor muscular, dor na barriga, presença de manchas vermelhas no corpo, náusea, sinais de desmaio e dificuldade na ingestão de líquidos. Aos primeiros sintomas, já procure atendimento médico. No pronto-socorro, o paciente passará por um diagnóstico clínico e será submetido ao exame “Prova do Laço” – com um aparelho de pressão, o procedimento avalia a fragilidade do vaso sanguíneo e a tendência do paciente à hemorragias.

O paciente também realizará um exame de sangue para a medição de plaquetas e hematócitos. Caso a contagem de hematócitos esteja acima do normal e as plaquetas abaixo de 150 mil, há indícios de dengue. Dependendo do diagnóstico e da gravidade do caso, recomenda-se que o paciente faça o tratamento em casa ou que seja internado.