Sem oxigênio, bebê recebe tratamento à base de cannabis

Oscar, é o primeiro recém nascido do mundo a ser tratado com a planta. “Eu quero fazer tudo possível para ajuda-lo”, explica a mãe

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Recém nascido é o primeiro bebê no mundo a receber tratamento a base cannabis;
  • O pequeno sofre de transtorno chamado encefalopatia hipóxico-isquêmica neonatal;
  • O caso tem sido acompanhado pelo sistema público de saúde do Reino Unido.

Oscar Parodi é o primeiro bebê no mundo a receber tratamento a base cannabis. O pequeno nasceu no Hospital Universitário de Norfolk, Inglaterra e possui um transtorno chamado encefalopatia hipóxico-isquêmica neonatal. A doença caracteriza – se por desconforto respiratório, apneia, alteração do nível de consciência, depressão dos reflexos e do tônus muscular e presença de convulsões.

O pequeno Oscar ficou sem oxigênio dentro do útero, e para evitar que o problema se transformasse e uma  lesão do sistema nervoso central, Chelsea Parodi, de 17 anos, mãe do bebê, concordou que ele participasse do estudo.  Em entrevista à BBC ela explicou: “Eu quero fazer tudo possível para ajudar meu bebê”.

Oscar Parodi com a mãe no hospital (Foto: Reprodução/ Arquivo pessoal)

A criança é fruto de uma cesariana de emergência que aconteceu em 11 de março, três dias depois da data prevista para o parto. Menos de 12 horas após o nascimento, ele recebeu uma dose intravenosa única do remédio.

Para garantir que a substância psicoativa da planta cannabis- THC (tetrahidrocanabinol), tivesse efeitos mínimos, o ingrediente foi obtido em laboratório sob condições altamente controladas.  

O caso tem sido acompanhado pela NHS Foundation Trust, o sistema público de saúde do Reino Unido. O medicamento já é usado em crianças com formas raras de epilepsia, mas é a primeira vez que é empregado para tentar prevenir convulsões em um bebê com encefalopatia hipóxico-isquêmica neonatal. 

Se o medicamento surtir efeito, os médicos esperam poder usá-lo rotineiramente para tratar  e auxiliar neonatais com tendência a  convulsões e lesões cerebrais.

Oscar Parodi durante internação Foto: Reprodução/ Arquivo pessoal)