Polêmica: Homem processa clínica de FIV após seu esperma ter sido usado para ajudar casais gays

De acordo com o doador: “É preciso um homem  e uma mulher para criar um filho”

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Um homem entrou com uma ação judicial contra uma clínica de Fertilização in Vitro;
  • Isso porque ele descobriu que seu “super esperma” foi concedido a casais homossexuais e mães solo sem o seu consentimento;
  • As afirmações do homem causaram polêmicas.

Um homem entrou com uma ação judicial contra uma clínica de Fertilização in Vitro após descobrir que seu “super esperma” foi concedido a casais homossexuais e mães solo sem o seu consentimento.

Neil Gaskell, de 49 anos, começou a doar para a clínica em 2010, após ser informado de que tinha os “espermatozóides fortes do super-homem” e essas doações resultaram em 13 bebês – sendo que, apenas quatro deles são filhos de casais heterossexuais.

Em entrevista ao Sunday Mirror, o homem, que é pai de três filhos disse que acredita que o correto é que crianças sejam criadas por um pai e uma mãe.  E justamente por essa afirmação, o doador está enfrentando uma chuva de críticas de pais.

Ao Mirror, o homem disse: “Não se trata de discriminação, não se trata de intolerância. Eu aceito que algumas pessoas vão achar isso desconfortável, mas eu queria que qualquer filho nascido do meu esperma tivesse mãe e pai”.

-Publicidade-

De acordo com Gaskell, a preocupação dele é apenas com as crianças. “Eu não queria que eles fossem questionados. Eu não queria que as pessoas fizessem comentários como ‘Onde está seu pai?’ ou ‘Por que você tem duas mães?” alega. “É preciso um homem  e uma mulher para criar um filho. Você não pode discutir com milhões de anos de biologia”, explica.

Homem processa clínica de Fertilização In Vitro (Foto: Freepick)

Por conta disso, o homem entrou com uma ação judicial contra a clínica de fertilização partindo do princípio que ele preencheu um formulário de consentimento no qual especificava que seu esperma “não era para casais do mesmo sexo”. O doador ganhou a ação.

Ao Mirror, o homem justificou-se : “Não tenho absolutamente nenhum problema com isso, seja por adoção, fertilização in vitro ou substituto. É apenas no meu caso que eu queria que eles tivessem uma figura paterna em suas vidas, aos meus olhos que reduziria as chances de eles virem me procurar quando forem mais velhos”, concluiu.