Pai joga filho no rio por acreditar que criança “virou o diabo” e mãe desabafa: “dor inimaginável”

O pai foi diagnosticado com esquizofrenia e deve ser condenado

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Um homem é condenado em um tribunal da Inglaterra por ter jogado o próprio filho, um bebê de 11 meses, em um rio;
  • O rapaz justificou o crime com a crença de que o recém-nascido “estava se transformando no diabo”;
  • O pai foi diagnosticado com esquizofrenia.

Um homem é condenado em um tribunal da Inglaterra por ter jogado o próprio filho, um bebê de 11 meses, em um rio. O rapaz justificou o crime com a crença de que o recém-nascido “estava se transformando no diabo”. O pai foi diagnosticado com esquizofrenia.

Zakari Bennett-Eko cometeu o crime em setembro de 2019. E de acordo com o promotor do caso, em entrevista à BBC, o pai teria conversado com a esposa, que estava grávida do segundo filho do casal, antes do crime. E a mulher disse que ele precisava “cuidar de si mesmo porque ela não seria capaz de cuidar de dois bebês e dele”.

“Pode ser que essa troca tenha criado a semente na mente de Zak de que eles estariam melhor sem Zakari [o bebê recém-nascido]”, disse o promotor, aos jurados, na tentativa de confirmar os problemas mentais do homem e livrá-lo de ser acusado de ter culpabilidade.

Menino é jogado no rio pelo pai (Foto: Divulgação)

No dia do crime, Zakari saiu com o bebê no carrinho. Até que começou a ter supostas alucinações e viu duas mulheres com “olhos de diabo” que, segundo Zak, queriam que ele afogasse o filho. Depois do ato, ele foi até um Pub, onde foi preso.

-Publicidade-

Três dias antes de jogar o filho de colo no rio, Zak tinha solicitado para ser internado no North Manchester General Hospital, mas acabou voltando atrás antes de receber atendimento. Foram seis dias de julgamento e a sentença deve sair ainda nesta semana.

Emma, ​​que estava grávida de oito meses da filha de Bennett-Eko no momento da morte de seu filho, acrescentou: “Só posso esperar que, com o tempo, o homem responsável venha a compreender a dor inimaginável que suas ações causaram”.