Padrasto acusado de decapitar bebê será levado a júri popular um ano após crime

O homem é acusado de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Na última semana, a justiça decidiu que um homem acusado de decapitar uma criança será levado a júri popular;
  • Maria Clara tinha um ano e três meses,  quando o crime aconteceu;
  • O homem é acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e falsa comunicação de crime.

Na última semana, a justiça decidiu que um homem acusado de decapitar uma criança será levado a júri popular. Maria Clara tinha um ano e três meses,  quando o crime aconteceu. O homem é acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e falsa comunicação de crime.

À polícia, o homem disse inicialmente que estava no centro de Pindamonhangaba com a criança, quando precisou ir ao banheiro e a deixou sob os cuidados de um estranho. Logo depois, Maria Clara teria sumido. O homem disse que ainda fez buscas pela cidade antes de relatar o desaparecimento.

Bebê é decapitada pelo padrasto (Foto: Reprodução/ Facebook)

No entanto, quando a polícia verificou as câmeras de segurança, percebeu-se que o homem estava mentindo e quando questionado, o padrasto acabou confessando que havia matado a criança. O homem prestou depoimento e deu a localização do corpo.

A polícia informou que a bebê foi encontrada decapitada, e que a cabeça estava próxima ao corpo, mas nenhuma parte estava enterrada. O padrasto teve a prisão temporária decretada e foi levado para um presídio em Taubaté. O enterro aconteceu dois dias depois.

O caso causou revolta na comunidade e na própria família. Em entrevista ao G1, o pai de Maria Clara, Steven Roger Galvão, cobrou punição: “A hora que recebi a notícia, ela cortou o coração. Não tem cabimento o que ele fez com minha filha. Quero justiça. O que mais quero é justiça e estar com meus filhos 24 horas ao meu lado”, disse.

Indignados, os moradores atearam fogo na casa em que o homem vivia com a vítima e a mãe da menina.  O Corpo de Bombeiros foi acionado e levou cerca de duas horas para apagar as chamas. Ninguém se feriu. Steven é pai de mais dois filhos que viviam com a mulher e agora, tem a guarda das crianças.