Mulher guarda corpo da própria filha na geladeira

O caso aconteceu em Belo Horizonte, Minas Gerais. A mulher já foi interrogada pela polícia

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Uma mulher guardou o corpo morto da própria filha na geladeira
  • O caso aconteceu em Belo Horizonte, Minas Gerais na última segunda-feira, 30 de novembro
  • A Polícia segue investigando o ocorrido

Na última segunda-feira, 30 de novembro, uma mulher encontrou um feto em um saco plástico enquanto limpava a geladeira de casa – e, segundo ela, o corpo lhe foi dado sob o disfarce de um “saco de carne” pela vizinha, que afirmava não ter geladeira em casa.

O caso aconteceu em Belo Horizonte, Minas Gerais. Por lá, autoridades estão suspeitando que o bebê em questão teria sido morto pela própria mãe, que queria escondê-lo do tráfico.

Para a UOL, o delegado Alexandre Fonseca confirmou que, em depoimento, a mulher que deu o saco plástico com a bebê para a vizinha disse que “engravidou, já tem dois filhos e não queria mais um filho. Então, resolveu abortar essa criança. Ela juntou um dinheiro, foi na área central de Belo Horizonte e comprou um medicamento abortivo de R$ 1.300. Ela se hospedou num hotel próximo onde tomou o abortivo e, segundo a versão da suspeita, a criança nasceu. Ela disse que dormiu e quando acordou a criança já estava morta”.

A mulher queria esconder a gravidez
A mulher queria esconder a gravidez (Foto: Freepick)

Contudo, a autópsia do corpo confirmou que não se tratava de um feto – e sim de uma criança recém-nascida. Além disso, os medicamentos abortivos ingeridos pela mãe na gravidez não foram os responsáveis pela morte da bebê. Agora, a polícia suspeita de homicídio.

“O cordão umbilical não estava amarrado, indicando que foi um parto caseiro e que o bebê perdeu muito sangue. O perito informou ainda que a criança pode ter morrido de hipotermia, por não ter sido agasalhada. Nesse caso, a suspeita pode ser acusada de homicídio. O remédio abortivo não teria sido responsável pela morte do bebê”, confirmou o delegado. A polícia segue investigando o caso.