Mulher é presa suspeita de matar menino com Síndrome de Down

O crime teria sido motivado por uma espécie de vingança contra um familiar da criança

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Na última quinta-feira (25), uma mulher foi condenada após matar uma criança;
  • O menino tinha nove anos e era  portador de Síndrome de Down;
  • O crime teria sido motivado por uma espécie de vingança contra um familiar do menino.

Mulher é prese após matar menino com Down (Foto: Ye Jinghan / Unsplash)

Um estudo divulgado pela Unicef, revelou que crianças com deficiência têm probabilidade três ou quatro vezes mais alta de serem vítimas de violência. Na última quinta-feira (25), uma mulher foi condenada após matar uma criança de nove anos portadora de Síndrome de Down

O crime aconteceu em 20 de junho do ano de 2018, no bairro Vila Colier em São Luís no Maranhão. De acordo com a polícia, o corpo da criança, que também estava em tratamento contra uma leucemia foi encontrado junto à uma árvore. A intenção da suspeita, era simular que o menino havia caído e morrido no local.

O crime teria sido motivado por uma espécie de vingança contra um familiar do menino com quem a mulher mantinha um suposto relacionamento. “Com o intuito de retaliar, ela resolveu cometer esse crime de homicídio”, explicou o delegado responsável pelo caso.

Entretanto foi nessa quinta-feira que a polícia emitiu um mandado de prisão preventiva para a mulher suspeita de ter cometido crime. A polícia ainda investiga.  A mulher foi encaminhada ao Presídio Feminino, onde aguardará julgamento.

-Publicidade-

Presenciou uma violência? Saiba como agir! 

É necessário notificar e denunciar aos órgãos de cuidado e proteção a criança (Educação, Saúde e Assistência Social), a agressão sofrida pela criança. Durante o processo a criança deve ser acolhida e receber o atendimento apropriado. 

E por fim, os órgãos realizam o atendimento.  Etapa que procura prevenir novos eventos de violência contra aquela criança, principalmente quando a agressão acontece na família. Nessa fase, os especialistas (Assistência Social) orientam o agredido sobre como se cuidar e se proteger de possíveis novas agressões e trabalham o vínculo entre a criança, a família e o agressor. O objetivo é diminuir o isolamento da vítima e reduzir as oportunidades de repetição dos ciclos violentos.