Menino cuida das irmãs prematuras usando método canguru e encanta a internet

Pedro Yuri, de oito anos, estava ansioso para conhecer suas irmãs caçulas e não hesitou em ajudá-las

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Pedro Yuri, de oito anos, ficou feliz em poder ajudar a cuidar das irmãs gêmeas recém-nascidas
  • O menino foi incentivado a praticar o método canguru com as bebês
  • Técnica é utilizada no cuidado com bebês prematuros desde 1979

A história de Pedro Yuri, de apenas oito anos, viralizou nas redes sociais nesta semana. O menino estava ansioso para conhecer suas irmãs mais novas, gêmeas que nasceram prematuramente. Ele foi visitá-las na UTI Neonatal Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral, no Ceará, e incentivado pela equipe médica a praticar o chamado método canguru, que consiste em ficar com o bebê em contato direto com o corpo.

As imagens de Pedro com uma das irmãs no colo derreteram a internet! Em entrevista ao portal Razões para Acreditar, Maria Gleiciane Paiva Lima, mãe das crianças, falou sobre a importância da ação. “Acho muito importante ele poder conhecer as irmãs ainda aqui no hospital para criar vínculos”, disse ela, orgulhosa. Em breve as gêmeas terão alta da UTI neonatal e a família seguirá para casa, na cidade de Meruoca, a 27 km de Sobral.

Menino aplica método canguru com irmã recém-nascida e encanta a internet (Foto: Assessoria de Comunicação do HRN/Teresa Fernandes)

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, o Método Canguru traz inúmeros benefícios para os pais, a família e os bebês prematuros. Colocá-lo em prática nos primeiros dias de vida da criança favorece a estimulação sensorial adequada ao recém-nascido, promove melhor desenvolvimento neurocomportamental e reduz o estresse do recém-nascido de baixo peso. Além disso, o método favorece o vínculo entre mãe e filho.

Família posa ao lado da UTI Neonatal Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral
(Foto: Assessoria de Comunicação do HRN/Teresa Fernandes)

 

Método Canguru: conforto para os bebês prematuros

Quando uma criança nasce prematura e abaixo do peso, é levada imediatamente para a incubadora. 40 anos atrás, esse bebê precisaria ficar isolado da mãe por meses – mas o chamado Método Canguru tira os bebês desse isolamento. Criado em 1979 na Colômbia, o método comprovou a importância da presença materna no tratamento neonatal.

No Método Canguru os bebês são colocados em posição vertical no colo da mãe ou do pai, amparados por um tecido, como se fossem filhotes de canguru e podem ficar ali por horas. Não é que as incubadoras passem a ser substituídas, mas essa tecnologia humanizada funciona como um complemento importante no tratamento.

Em entrevista à Agência Brasil, Hector Martinez, pediatra e criador do Método Canguru, ressalta que a presença da mãe é fundamental para o desenvolvimento da criança prematura. “As incubadoras são muito boas, a tecnologia é muito apropriada para a saúde e a sobrevivência das crianças. O que fizemos foi permitir que as mães entrassem em todos os serviços de recém-nascidos, assim o bebê ficava com a pessoa mais importante para ele,” afirma o especialista.

Ainda de acordo com a Agência Brasil, o Método Canguru é adotado há 20 anos no país e hoje é utilizado por 200 unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). No mundo, a prática está presente nos cinco continentes e é uma ferramenta para ajudar os 20 milhões de bebês prematuros que nascem todos os anos.