Menina supera câncer após cirurgia que deixou sua perna ao contrário

“Tchau, tumor, até mais, perdedor!”, disse Amelia ao entrar na sala de cirurgia

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Amelia venceu osteossarcoma depois de ter sido diagnosticada há quase três anos
  • A perna da menina precisou ser amputada e depois recolocada para trás
  • Michelle Eldred, mãe da garota, afirmou ter sido uma decisão da filha

O ano começou com boas notícias para Amelia Eldred, da cidade de Tamworth, Inglaterra. A menina estava lutando contra um câncer ósseo há quase três anos. Felizmente, ela venceu a doença após os médicos amputarem sua perna e a recolocarem para trás. “Quando ela entrou na cirurgia, a última coisa que ela disse foi ‘tchau, tumor, até mais, perdedor!'”, contou Michelle Eldred, mãe da garota.

De acordo com informações obtidas pelo jornal New York Post, em agosto de 2017, pouco antes do aniversário de sete anos de Amelia, sua perna ficou repentinamente inchada e permaneceu dessa forma por duas semanas. Após ser realizado um raio-X, foi revelado que a menina tinha um tumor cancerígeno no fêmur esquerdo e a única opção para Amelia sobreviver seria a amputação do membro. “Não consigo expressar como me senti naquele dia. Meu mundo ficou parado”, disse a mãe.

Amelia Eldred após o procedimento (Foto: Reprodução New York Post)

Em setembro do mesmo ano, Amelia iniciou as sessões de quimioterapia, depois de ter realizado uma ressonância magnética e uma biópsia que confirmaram o quadro de osteossarcoma. Os exames foram realizados no Hospital Infantil de Birmingham, no Reino Unido.

Um mês após o início do tratamento, infelizmente, o tumor se mostrava igual. Devido ao resultado foi indicado que Amelia amputasse a perna ou realizasse um procedimento incomum chamado de rotoplastia. A cirurgia corta a perna do paciente para remover a porção do tumor, e depois recoloca o membro para trás a fim de criar uma nova articulação do joelho no ângulo que se inclina para frente em vez de para trás.

Segundo o Instituto de Câncer Dana-Farber, com a plastia de rotação seria possível o contínuo crescimento dos ossos e a preservação dos principais nervos da perna. “Você definitivamente pensa duas vezes, se nunca viu antes, porque o pé dela está para trás”, desabafou Michelle, acrescentando que “como família, sabíamos que ela tinha uma chance muito maior de ter uma vida longa e gratificante se o procedimento fosse bem.”

A mãe afirmou que a rotoplastia foi uma decisão de Amelia, que precisou realizar mais quatro ciclos de quimioterapia e seis meses de medicamento contra o câncer, antes do procedimento. A responsável pela garota ainda disse que a filha se inspirou em um vídeo que ela viu na plataforma do Youtube de uma dançarina que teve a mesma operação. “Amelia disse que queria ser como ela”, completou.

Após a vitória contra a doença, Amelia se mostra muito ativa. Michelle contou que ela e a menina nadam, patinam, jogam futebol e andam de bicicleta. “Ela (Amelia) sorri e me diz que ela pode fazer qualquer coisa se trabalhar duro o suficiente e também me diz que não há nada de errado em ser diferente. ‘Normal é chato!'”.