Menina de oito anos com doença rara morre de “velhice”

Anna Sakidon era portadora de progéria, uma doença incurável, que causa envelhecimento precoce

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Nascida na Ucrânia, Anna Sakidon morreu aos oito anos de idade
  • Ela era portadora de progéria, uma doença genética incurável, que fazia com que ela envelhecesse precocemente
  • Apenas 160 pessoas no mundo sofrem deste mesmo mal

Anna Sakidon morreu aos oito anos, mas seu corpo funcionava como o de uma pessoa de 80. Nascida na Ucrânia, ela era portadora de progéria, uma doença genética rara, que afeta apenas 160 pessoas em todo o mundo, que faz com que o organismo de uma pessoa envelheça muito mais rápido que o normal. Ela morreu de falência múltipla de órgãos e pesando menos de oito quilos.

Anna Sakidon morre de doença rara que faz com que ela envelheça precocemente (Foto: Reprodução/Daily Mail)

Timofey Nagorny, chefe da Fundação de Voluntários Ucranianos, que apoiou o tratamento médico de Anna Sakidon, afirmou em entrevista ao Daily Mail que “seu único sonho é descobrir um dia que o diagnóstico dos médicos estava errado”.

Também em entrevista ao jornal britânico, Dra. Nadezhda Kataman, especialista do Complexo Médico Regional Infantil de Volyn, falou sobre a saúde da pequena Anna, que acompanhou desde o nascimento. “Em janeiro, Anna fez oito anos. Para crianças com diagnóstico de progéria, um ano é igual a oito a dez anos, então sua idade real era entre 70 e 80. Os ossos dela cresceram lentamente enquanto os órgãos envelheciam rapidamente. Esses pacientes geralmente morrem de derrames. Anna sofreu vários derrames e paralisia de seus membros.”

A menina foi diagnosticada com a doença logo após seu nascimento. Em um vídeo compartilhado pela mãe, Ivana, quando a filha tinha três anos, ela mostrou que a filha já podia andar antes de completar 11 meses de vida. Apesar do desenvolvimento, ela tinha medo da luz, o que fazia com que a família saísse com Anna apenas à noite. A mãe também relembrou que, aos três anos de vida, Anna comemorava quando abraçava seu ursinho de pelúcia, mas não gostava de ser abraçada ou beijada por pessoas.

Anna no colo da mãe, Ivana; apesar de ter oito anos, seu corpo já havia envelhecido como se tivesse 80 (Foto: Reprodução/Daily Mail)

A progéria – também conhecida como Síndrome de Hutchinson-Gilford – é uma doença genética extremamente rara que acelera o processo de envelhecimento em cerca de sete vezes em relação à taxa normal. A palavra progéria é derivada do grego e significa “prematuramente velho”. A expectativa média de vida das pessoas é de 14 anos para as meninas e 16 para os meninos. Em geral, as crianças portadoras de progéria nascem bebês normais mas, por volta dos 18 meses, começam a desenvolver sintomas de envelhecimento precoce.

As principais características clínicas que indicam a doença são queda do cabelo, perda de gordura subcutânea, artrose, estatura baixa e magra, clavícula anormal, envelhecimento prematuro, face estreita, pele fina e enrugada, sobrancelhas ausentes, unhas dos pés finas, voz anormal, lábios finos e osteoporose precoce, entre outros sintomas de envelhecimento. A inteligência não é afetada. É uma doença que não tem cura e as causas ainda são um mistério para médicos em todo o mundo, apesar do avanço das pesquisas.