Menina de 13 anos se apaixona por madrasta e mata pai esfaqueado

A jovem deve ser encaminhada para um centro de internação provisório

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • No último dia (29), uma menina de 13 anos foi apreendida pela polícia de Goiás após matar o próprio pai, de 33 anos, com uma facada no peito;
  • De acordo com a Polícia Civil, familiares afirmaram que o homem havia repreendido a filha por nutrir uma paixão pela madrasta;
  • A jovem deve ser encaminhada para um centro de internação provisório.

No último dia (29), uma menina de 13 anos foi apreendida pela polícia de Goiás após matar o próprio pai, de 33 anos, com uma facada no peito. De acordo com a Polícia Civil, familiares afirmaram que o homem havia repreendido a filha por nutrir uma paixão pela madrasta, uma jovem de 20 anos.

No boletim de ocorrência, a menina foi encontrada tranquila na casa em que vivia com a avó. Quando interrogada pelos policiais, a adolescente não só confessou o crime como justificou que estava apaixonada pela madrasta e que seu pai “a teria ameaçado em virtude dessa paixão”.

O delegado responsável pelo caso confirmou a história ao G1: “Levantamos com a PM, que atendeu a ocorrência, e familiares que ela havia nutrido uma certa paixão pela madrasta. O pai tinha tido acesso a algumas mensagens e até a uma carta que a menor teria escrito para a madrasta. Ele conversou com ela e a repreendeu, mas a menor não teria gostado”.

-Publicidade-
Menina mata pai (foto: Freepick)

O boletim destaca ainda que a menina foi até a casa do pai quando ele e a madrasta estavam dormindo no intuito de fazer as pazes – no entanto, acabou desferindo um golpe no pai quando ele começava a acordar. O homem chegou a ser socorrido mas perdeu a vida no hospital.

Menina mata pai (foto: reprodução / polícia)

A adolescente aguarda uma vaga em um centro de internação provisório, onde deverá cumprir pena por no máximo três anos por ser menor de idade. A assassina ainda deve responder por ato infracional análogo a homicídio triplamente qualificado, por motivo fútil, dissimulação e meio que impossibilitou a defesa da vítima.