Mãe leva bebê morto com machucados cobertos de maquiagem para o hospital

O caso aconteceu em Washington DC, nos EUA, onde Mackenzie Anderson morreu de traumatismo craniano com apenas 11 anos de idade

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Mãe leva bebê morto com machucados cobertos de maquiagem para o hospital
  • O caso aconteceu em Washington DC, nos EUA
  • Mackenzie Anderson morreu de traumatismo craniano com apenas 11 anos de idade

Uma bebê de 11 meses foi levada ao hospital morta por causa de um traumatismo craniano. A mãe ainda chegou a colocar maquiagem nos hematomas da filha, para que não chamassem a atenção dos médicos. O caso aconteceu em Washington DC, nos Estados Unidos, onde Tyra Monae Anderson foi condenada pela morte de Mackenzie Anderson.

Três dias antes de ser declarada como morta, em fevereiro do ano passado, Tyra contou para as autoridades que a filha caiu da cama e bateu cabeça – e vinha tendo “comportamentos estranhos” neste período. A menina foi declarada como morta no dia 6 de fevereiro.

Na autópsia, contudo, médicos repararam resíduos de algo que parecia como “tintura marrom” nas roupas da bebê e em tecidos hospitalares. “Um membro da equipe observou que o resíduo parecia maquiagem ou algum tipo de cosmético”, comentou um dos promotores ao jornal The Independent.

Após o ocorrido, a mãe chegou a confirmar que a maquiagem dizia respeito às outras crianças da família que estavam brincando com a bebê. Um relatório da polícia citado contundo, confirma que o bebê sofreu descoloração nas pernas, escoriações no rosto, pescoço e mãos e contusões no rosto e no corpo. Uma médica do centro médico, Dra. Joanna Cohen, disse ainda que a criança morreu por “traumatismo craniano não acidental”.

A mãe foi indiciada pela morte da filha
A mãe foi indiciada pela morte da filha (Foto: Reprodução/ The Independent)

Agora, Tyra está sendo indiciada por homicídio doloso por meio de crueldade de primeiro grau com crianças, de acordo com a Law & Crime. O Departamento de Justiça Nacional emitiu um comunicado oficial à imprensa sobre o caso:

“O pedido, que depende da aprovação do Tribunal, pede uma pena de prisão de 10 anos, com todos, exceto três anos, suspensos sob a condição de que Anderson não tenha nenhum contato futuro não supervisionado com crianças e que ela se envolva em tratamento de saúde mental. Após a pena de prisão, Anderson deve ser colocada em cinco anos de liberdade supervisionada”.