Mãe é decapitada pela própria filha após pagar R$ 13 mil em ‘exorcismo’

Rita Camilleri, foi morta com mais de 100 facadas, esquartejada e decapitada. A jovem tem transtornos mentais

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Uma mãe desesperada, preocupada com as agressividade da filha, pagou US$ 2500 (mais de R$ 13 mil), para que uma “comunicadora espiritual” exorcisasse sua filha;
  • De acordo com a família, o serviço não foi realizado.;
  • Pouco tempo depois, Rita Camilleri, foi morta com mais de 100 facadas, esquartejada e decapitada pela própria filha.

Uma mãe desesperada, preocupada com as agressividade da filha, pagou US$ 2500 (mais de R$ 13 mil), para que uma “comunicadora espiritual” exorcisasse sua filha. De acordo com a família, o serviço não foi realizado. Pouco tempo depois, Rita Camilleri, foi morta com mais de 100 facadas, esquartejada e decapitada pela própria filha. O caso aconteceu em 2019, na Austrália e o julgamento da jovem deve acontecer nesta semana. 

De acordo com a família, a Jessica foi diagnosticada com distúrbios mentais, incluindo dislexia e Transtorno de Déficit de Atenção. Mas de acordo com o promotor do caso,  a jovem tinha “uma longa história de agressão a pessoas” e sua mãe, Rita, tinha se tornado “excessivamente protetora e defensiva” para cuidar da filha.

Mulher exorcisa a filha antes de ser morta por ela (Foto: Arquivo pessoal)

Além disso, Jessica já tinha ameaçado membros da família e pessoas aleatórias por telefone. Entre os ataques estavam as ameaças de cortar a cabeça das pessoas com uma faca. Preocupada, a mãe chegou a pagar para que uma “comunicadora espiritual” retirasse um “demônio” da filha. 

-Publicidade-

Até que em um surto, Jessica esfaqueou a mãe por mais de 100 vezes e decapitou a mulher. A cabeça decapitada de Rita foi encontrada em uma trilha perto da casa dela. Enquanto as outras partes do corpo, como a ponta do nariz, foram encontradas no chão da cozinha da residência.

A jovem ainda tentou alegar legítima defesa, mas acabou assumindo o crime. O advogado de defesa pediu que o júri considerasse a saúde mental de Jessica:  “Devido aos efeitos de suas condições mentais, ela tinha uma capacidade prejudicada no momento dos eventos”. O julgamento ainda não acabou e a criminosa pode ser condenada.