Mãe dá à luz bebê de forma inesperada durante viagem

“Eu sabia que ela ainda não estava pronta para nascer”, desabafou a mãe.

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Bethany Martin estava grávida de quase oito meses quando sua bolsa rompeu durante uma viagem em Tenerife
  • A mãe havia sido considerada, pelo médico, em condições de voar, então aproveitou para tirar férias com a sua mãe
  • Minha pequena senhorita é um milagre espanhol”, disse o pai

Bethany Martin, de 23 anos, estava grávida de quase oito meses quando decidiu viajar com sua mãe, Jo Morris, 50, para Tenerife, Espanha. As duas haviam planejado aproveitar 10 dias de férias, porém, as coisas saíram um pouco do roteiro. No sexto dia de viagem, após jantar com sua mãe, Bethany se levantou da cadeira e se surpreendeu ao ver que sua bolsa havia rompido. “Era como se uma piscina tivesse vazado de mim. Foi a minha primeira gravidez, então eu não tinha ideia do que esperar. Um minuto eu estava jantando, tomando sol, no outro eu estava em trabalho de parto”, contou a mãe da pequena Thia, que nasceu seis semanas antes do previsto. 

De acordo com o jornal The Sun, o caso ocorreu em julho de 2018. Bethany explicou que foi considerada, pelo médico, em condições de voar, então aproveitou para tirar férias somente com a sua mãe no Hotel Jardin Tropical. Depois do ocorrido, a mãe de primeira viagem não conseguiu retornar ao Reino Unido e teve sua filha no Hospital Universitario Nuestra Señora de Candelaria. Thia nasceu com 1kg e adquiriu uma certidão de nascimento espanhola e, apenas retornou para casa com três semanas de idade. A mãe da menina ainda explicou que não havia tido nenhuma indicação de que entraria em trabalho de parto prematuro e, que todas as consultas médicas foram normais.

Thia no Hospital Universitario Nuestra Señora de Candelaria (Foto: Reprodução The Sun)

“Quando Thia nasceu, fiquei chocada. Lembro-me de segurá-la em meus braços e chorar de alegria, tudo aconteceu tão rapidamente. Não sabíamos como levá-la de volta para o Reino Unido, pois o nascimento nem estava planejado para acontecer em Tenerife. Isso significava que o pai dela não poderia estar lá para compartilhar o momento especial”, explicou Bethany. Matthew Walden, 29, pai da bebê, estava trabalhando e preparando a casa para a filha quando tudo aconteceu. Como não tinha passaporte, era incapaz de visitar a pequena, que permaneceu por sete dias em terapia intensiva no hospital. “Mesmo com o fato de eu não ter conseguido estar lá para o nascimento dela, nunca perderei outro marco em sua vida”, disse o pai.

Jo Morris ligou para o genro a fim de dar a ele a boa notícia. Bethany disse que depois de receber a ligação, Matthew ficou em silêncio devido ao choque do nascimento que o pegou de surpresa. “Especialmente porque ele sempre planejara segurar minha mão durante o momento”, completou ela. O pai solicitou um passaporte de emergência para ver a filha, mas, infelizmente, o pedido foi recusado pela embaixada.

Logo após o nascimento, Thia foi colocada em uma máquina de respiração especial para bebês prematuros que vibravam em ritmo acelerado para acompanhar o ritmo de sua respiração. Bethany só foi capaz de segurar sua filha no colo depois de quatro horas do parto. “Eu chorei muito no hospital. Eu sabia que ela ainda não estava pronta para nascer”, desabafou a mãe.

Após receber um passaporte de emergência da embaixada britânica, a bebê conseguiu retornar para casa, 4 mil quilômetros de distância do local onde nasceu. Matthew ficou à espera do retorno da família e o encontro entre pai e filha aconteceu somente no aeroporto de Stansted, Londres. “Ela é perfeita e saudável, e nós temos que agradecer à equipe do hospital por isso. Minha pequena senhorita é um milagre espanhol”, disse o pai, acrescentando que nunca irá amar alguém como ama Thia.