Homem tira vida de esposa grávida e faz fotografia para forjar acidente em penhasco

O homem queria receber a indenização do seguro de vida. A polícia da Turquia investiga há três anos o assassinato

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • A polícia da Turquia investiga há três anos o assassinato de uma mulher grávida que teria caído de um penhasco;
  • As investigações apuram que o próprio marido teria posado para uma foto com a esposa momentos antes de matá-la;
  • O homem queria receber a indenização do seguro de vida.

A polícia da Turquia investiga há três anos o assassinato de uma mulher grávida que teria caído de um penhasco. As investigações apuram que o próprio marido teria posado para uma foto com a esposa momentos antes de matá-la para receber a indenização do seguro de vida.

De acordo com o Daily Mail, Hakan Aysal, de 40 anos, foi preso pelo assassinato de sua esposa Semra Aysal, de 32 e de seu filho ainda nem nascido. O casal passava férias em Butterfly Valley, na cidade de Mugla, na Turquia quando o assassinato ocorreu.

O homem teria premeditado o crime. De acordo com as autoridades locais ele teria feito um seguro avaliado em mais de 40 mil euros. A ideia de visitar o penhasco teria sido uma forma de forjar um acidente. À um jornal, o irmão da grávida disse:  “Quando fomos ao Instituto de Medicina Legal para buscar o corpo, Hakan estava sentado no carro. Minha família e eu fomos destruídos, mas Hakan nem mesmo parecia triste”.

Homem tira a vida de esposa (Foto: Reprodução / Facebook)

O marido da vítima ainda negou ter cometido o crime:  “Depois de tirar uma foto, minha esposa colocou o telefone na bolsa. Mais tarde ela me pediu para lhe dar o telefone”, disse. Ele continuou sua defesa. “Levantei-me e ouvi minha esposa gritar atrás de mim quando me afastei alguns passos para pegar o telefone de sua bolsa. Quando voltei, ela não estava lá. Eu não forcei minha esposa”, finalizou.

Hakan ainda disse que teria contratado o seguro por causa de seus hobbies:  “Tenho me interessado por esportes radicais desde 2014; paraquedas, bungee jumping, rafting. É por isso que eu tinha seguro de vida antes de me casar”. A polícia continua investigando o caso.