Gravidez salva vida de mulher que descobriu câncer raro em exame de rotina

Rachel Bailey, uma mãe de 28 anos, que vive em Southwark, Londres, fez um relato emocionante

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Rachel Bailey, uma mãe de 28 anos, que vive em Southwark, Londres, fez um relato emocionante;
  • A mulher conta que só pôde descobrir um câncer raro por conta da gravidez;
  • Foi durante alguns exames de rotina que a mãe soube do tumor e conseguiu tratá-lo a tempo.

Rachel Bailey, uma mãe de 28 anos, que vive em Southwark, Londres, fez um relato emocionante. A mulher conta que só pôde descobrir um câncer raro por conta da gravidez. Foi durante alguns exames de rotina que a mãe soube do tumor e conseguiu tratá-lo a tempo.

“Tenho muita sorte de estar grávida, caso contrário não saberia sobre o tumor. Eu sempre quis uma família e esperei tanto tempo para engravidar. Minha filha Phoenix tem sido uma bênção.”, disse a mãe, que após o nascimento da filha, precisou entrar em cirurgia para a retirada de um tumor do tamanho de uma laranja.

A mãe ainda revelou que tinha a data do parto marcada para evitar qualquer problema. No entanto, o seu bebê acabou nascendo em um parto natural. “Quando chegou a hora da minha indução, tive que entrar sozinha por causa das restrições da Covid-19, mas as parteiras eram todas adoráveis. De repente, tudo voltou a tocar e era uma montanha-russa de emoções, mas tentei não estressar meu bebê”, disse a mãe.

“Sem Phoenix, as parteiras, o cirurgião urologista e a equipe de urologia, essa experiência teria sido muito mais estressante”, contou a mãe da pequena que nasceu saudável com 1 kg. Rachel disse: “Depois do nascimento, a preocupação com a cirurgia começou. Eu tive que sair de Phoenix. Eu ainda quis amamentar, mas minha filha não teve permissão para entrar no hospital comigo”, relatou.

-Publicidade-
Mãe descobre tumor por causa de gravidez (Foto: reprodução/ arquivo pessoal)

Após 25 horas internada, a mãe sobreviveu à cirurgia e pôde voltar para casa com a família.  “Se Rachel não estivesse grávida, seu tumor poderia ter sido descoberto muito mais tarde, quando o resultado poderia ter sido diferente. Pode ser que seu bebê tenha salvado sua vida”, disse o médico responsável pelo tratamento da mulher.

Os médicos estão confiantes de que removeram todo o tumor, que tinha ao todo 9 cm. Devido à rápida descoberta, a mãe não precisará de radioterapia ou quimioterapia, no entanto deve ser acompanhada pela equipe médica por alguns anos.