Enfermeira consola mãe que perdeu filho com “carta do bebê”

Post foi compartilhado nas redes sociais da profissional de saúde e viralizou nas redes sociais

Categorias

Compartilhe

A dor de perder um filho é incomparável; a mãe que passa por essa situação precisa de muito apoio, e ele pode vir das formas mais inesperadas. Foi o que aconteceu com Ingrid – e quem fez com que sua história ganhasse as redes sociais e aquecesse nossos corações foi a enfermeira que a atendeu, Noelle Moreira.

Noelle compartilhou a emocionante história em sua conta no Instagram. “Recebi Ingrid numa maca, com indicação expressa de uma cesariana de urgência por descolamento prematuro de placenta. Ela estava atônita. Olhos arregalados de medo”, escreveu ela na postagem.

A situação era tensa. Rapidamente Ingrid foi encaminhada para o centro cirúrgico do hospital, onde foi anestesiada e teve início o procedimento da cesárea. Porém, já era tarde demais. “Infelizmente a suspeita do não achado do batimento do bebê havia se confirmado: o bebê estava morto”, contou a enfermeira.

A triste notícia foi dada primeiro ao pai e à avó da criança, enquanto a mãe ainda permanecia sedada. Noelle quis que a mãe acordasse e tivesse a oportunidade de ver seu filho. “Pedi às minhas técnicas que não fizessem o preparo do corpinho pois eu queria que a Ingrid o visse por inteiro, antes disso (…) Peguei o corpinho do bebê e levei até eles. A emoção tomou conta… alguns questionamentos a Deus… mas logo teve lugar o silêncio e a contemplação.
Como ela estava operada, no começo, segurei o corpinho para que ela pudesse olhar sem ter que se mexer muito.
Ela acariciava. Dizia que havia sonhado com aquela boquinha. Eles riram…”, escreveu.

“Depois que peguei o bebê, eu disse pra ela: Preparamos uma lembrança do Heitor pra você. Quer ver?”, disse Noelle. “Ela balançou a cabeça, chorando ao mesmo tempo que ensaiava um sorriso triste. Ao ver, ela sorriu.”

A surpresa era uma “cartinha”, escrita como se fosse do filho para os pais. A homenagem também trazia os pés da criança carimbados no papel. Além dos pais, o post emocionou diversas pessoas e viralizou.

 

-Publicidade-
Ver essa foto no Instagram

 

Recebi Ingrid numa maca, com indicação expressa de uma cesariana de urgência por descolamento prematuro de placenta. Ela estava atônita. Olhos arregalados de medo… Colocamos no leito, mas rapidamente voltamos pra maca, pq deveria ir pra cirurgia com a máxima urgência. Arrumamos a sala o mais rápido que pudemos. Aguardei anestesiar e fiz o cateterismo vesical. E assim que acabei, menos de dois minutos depois a barriga dela estava sendo aberta. Infelizmente a suspeita do não achado do batimento do bebê havia se confirmado: o bebê estava morto. Assim que nasceu, a anestesista resolveu sedá-la, não sei ao certo o porquê. As pediatras deram a notícia ao pai. Ele não aguentou e pediu pra trocar com a mãe da Ingrid. Deixei. Quando a mãe chegou, ela já sabia. Eu perguntei se ela gostaria de ver o bebê. Ela assentiu. Coloquei num local reservado, sentada e fui pegar o bebê. Ela chorou sentida, mas não quis pegar no colo. Pediu pra sair. O marido retornou. Quando ele voltou, Ingrid já estava acordada. Pedi às minhas técnicas que não fizessem o preparo do corpinho pois eu queria que a Ingrid o visse por inteiro, antes disso. Deixei o casal um pouco à vontade. E depois entrei. Perguntei à ela se gostaria de ver o bebê. Ela me olhou com um ar misto de tristeza e estranhamento e assentiu. Peguei o corpinho do bebê e levei até eles. A emoção tomou conta… alguns questionamentos a Deus… mas logo teve lugar o silêncio e a contemplação. Como ela estava operada, no começo, segurei o corpinho para que ela pudesse olhar sem ter que se mexer muito. Ela acariciava. Dizia que havia sonhado com aquela boquinha. Eles riram… Depois eu vi que eles precisavam de um tempo sozinhos com o filho. Perguntei se eu poderia colocá-lo sobre o corpo dela para que ela pudesse abraçar aquele neném. Ela assentiu com um ar de medo, mas falou de maneira firme. Em alguns momentos, acho que ela não estava esperando que eu fosse oferecer. Coloquei. Ela aninhou. Uma lágrima rolou no canto dos olhos. De repente me lembrei de Maria e seu filho Jesus morto… A cena era tocante. Me afastei um pouco, o marido se aproximou. Eles falavam e choravam baixinho. (Continua nos comentários)

Uma publicação compartilhada por Noelle Moreira (@moreiranoelle) em


A seguir, a mensagem escrita na carta:

“Papai e mamãe, durante 34 semanas pude sentir o quanto vocês me amam e eu também já amava vocês. Sei que seriam pais excelentes. Fiquem em paz! Nasci e voltei para o céu no dia 20/11/2019, às 15h13, no Hospital Maternidade Herculano Pinheiro, e pesei 2.215 gramas. Irei no coração de vocês, aonde forem, para sempre!”