Criança é mantida presa em coleira de cachorro: “Menino arteiro? Ponho na corda”, diz agressor

Acusado, um homem foi denunciado por maus-tratos contra a sobrinha, uma jovem de 19 anos, e o filho dela, uma criança de dois anos

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Um homem de 37 anos foi preso na última terça-feira (20), em Chapadão do Sul, na região Nordeste do Mato Grosso do Sul;
  • Isso porque foi denunciado por maus-tratos contra a sobrinha, uma jovem de 19 anos, e o filho dela, uma criança de dois anos;
  • O homem foi flagrado colocando a criança em uma coleira de cachorro.

Um homem de 37 anos foi preso na última terça-feira (20), em Chapadão do Sul, na região Nordeste do Mato Grosso do Sul, após ser denunciado por maus-tratos contra a sobrinha, uma jovem de 19 anos, e o filho dela, uma criança de dois anos.

O rapaz foi acusado de violência doméstica após um vídeo da criança amarrada em uma coleira de cachorro ter sido mostrado pela mãe aos delegados, enquanto tentava uma medida restritiva de urgência contra o homem.

O vídeo foi gravado como uma “solução” de castigo para crianças “arteiras”. Nas imagens, o bebê aparece preso em uma coleira de cachorro deitado em cobertores colocados no chão. “Que eu faço com menino arteiro? Ponho na corda. Tá preso. É arteiro”, dizia o agressor.

-Publicidade-
Bebê sofre maus-tratos (Foto: Reprodução/ Youtube)

Segundo a vítima, o homem teria “arremessado objetos” contra ela e depois a ameaçado com um facão. Com antecedentes por tráfico de drogas, o homem foi localizado e preso pela polícia militar.

De acordo com o delegado responsável pelo caso em entrevista ao G1, as agressões eram frequentes: “A vítima disse que já tem um tempo que sofre esse tipo de agressão, principalmente xingamento e humilhação. Ontem ele foi preso em flagrante e, automaticamente, instaurado o inquérito policial para relatar os fatos. Ele foi interrogado e disse que não bateu na jovem e que era uma brincadeira o vídeo. O próximo passo agora é relatar o inquérito policial e aguardar a decisão do poder judiciário sobre a prisão dele”.