Bebê tem 30 % do corpo queimado em acidente com água fervente

O caso aconteceu em São Vicente, no litoral de SP. Por lá, Rayssa Gabrielly de Jesus, de 1 ano e 3 meses, segue hospitalizada

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Uma bebê teve 30% do corpo queimado em acidente envolvendo água fervente
  • O caso aconteceu em São Vicente, no litoral de SP
  • Rayssa Gabrielly de Jesus, de 1 ano e 3 meses, segue hospitalizada

Uma bebê de apenas 1 ano e 3 meses teve ao menos 30% do corpo queimado por causa de acidente envolvendo água fervente. O caso aconteceu em São Vicente, no litoral de SP, onde Rayssa Gabrielly de Jesus segue hospitalizada.

Segundo a família, a alça da panela que estava com água fervente se soltou da mãe da Rayssa – enquanto ela segurava o objeto e a bebê no colo. No meio da confusão, a panela em questão virou diretamente no corpo da menina.

Rayssa teve 30% do corpo queimado
Rayssa teve 30% do corpo queimado (Foto: Reprodução/ Arquivo Pessoal/ G1)

“Era uma leiteira, tipo uma panela com duas alças. Uma delas soltou, e virou em cima dela. Foi uma coisa muito rápida, a mãe dela estava coando café, e na hora que virou, a bebê estava embaixo”, contou o pai de Rayssa, Clayton Marques Nunes, ao portal G1.

Clayton ainda narra que estava dormindo na hora do acidente – que aconteceu enquanto os pais estavam na casa dos tios de Rayssa. No meio do caos, o pai da bebê levou a menina diretamente para o chuveiro. “Começou a sair a pele todinha dela. Na hora, entrei em desespero”, relembra, ainda.

A bebê sofreu queimaduras de terceiro e quarto graus
A bebê sofreu queimaduras de terceiro e quarto graus (Foto: Reprodução/ Arquivo Pessoal/ G1)

Agora, a bebê está precisando ser submetida a enxertos após sofrer queimaduras de terceiro e quarto graus. Rayssa segue internada sem previsão de alta. Os familiares de Rayssa ainda estão usando as redes sociais para pedir doações para o tratamento da menina. “Estamos com a menina sem condições, ganhando fraldas, roupas, o que precisa eu pego e levo no hospital”, narrou Clayton. E ainda desabafa:

“Foi desesperador, nunca passei por uma situação dessa. O psicológico está muito abalado, ver um filho assim, desse jeito. É horrível, uma situação que você acha que vai perder seu filho. Bate o desespero”, finalizou.