Bebê sem rosto: Novas informações sobre estado de saúde da criança são reveladas

Rodrigo nasceu sem olhos, nariz e parte do crânio

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Contrariando as expectativas, o bebê que nasceu sem rosto está estável
  • A criança veio ao mundo em outubro de 2019 e nasceu sem olhos, nariz e parte do crânio
  • O pequeno precisará passar por uma avaliação ainda este mês

Bebê que nasceu em outubro de 2019 sem rosto, contrariou a expectativa inicial de apenas algumas horas de vida e está evoluindo bem. De acordo com o Correiro da Manhã, o pequeno Rodrigo será submetido a uma nova avaliação até o final do mês, em Coimbra, Portugal. Ainda segundo o jornal, o bebê foi visto na semana passada pelos médicos do Hospital dona Estefânia, em Lisboa.

Bebê que nasceu sem rosto está estável (Foto: Unsplash)

“Ele tem estado muito bem, sabe distinguir as pessoas e até se ri para mim e para o David”, disse a mãe de Rodrigo em entrevista para a imprensa local. “É um bebê como outro qualquer. Também chora e faz birras enormes. Por ele, estava sempre ao colo e a comer”, completou. Papinhas foram introduzidas na alimentação de Rodrigo há cerca de uma semana e, apesar do esforço a engolir, o bebê já “come todo o tipo de papinhas e gosta muito, desde as de arroz às de fruta”, garante Marlene Simão.

A criança nasceu sem olhos, nariz e parte do crânio – o obstetra não identificou más-formações no feto durante a gestação. Segundo a comunidade médica, é possível detectar esse tipo de má-formação logo no primeiro trimestre de gestação. O profissional responsável pelo acompanhamento da gravidez e pelo parto possui inúmeras queixas de outros pacientes. Os procedimentos foram realizados na clínica Ecosado.

Relembre o caso

Bebê nasceu sem rosto (Foto: Reprodução RecordTV Europa)

Rodrigo nasceu sem olhos, nariz e parte do crânio – o obstetra não identificou más-formações no feto durante a gestação. De maneira surpreendente, o bebê segue se recuperando e já deixou o hospital. Em entrevista a uma rede de televisão portuguesa, Tânia Contente, madrinha do bebê, reafirmou que Rodrigo vive sem qualquer tipo de máquina, respirando e se alimentando como qualquer bebê. Porém, tanto ela quanto os pais, Marlene e David, tem consciência de que essa é uma “batalha que dificilmente será ganha”.

“Acredito cada vez mais que a luta que o Rodrigo trava tem um sentido maior. Contrariamente a todas as expectativas, até por parte dos médicos que lhe davam horas de vida, o Rodrigo continua aqui. É tudo imprevisível, em minutos ele pode não estar mais conosco”, afirmou.