Bebê nasce sem ânus e mãe descobre deformidade da filha de forma inesperada

Ela percebeu que a menina urinava e defecava pelo mesmo lugar

Categorias

Compartilhe

Na cidade de Pune, na Índia, uma bebê menina nasceu aparentemente normal. Com 2,3 kg e filha de uma mulher jovem, de apenas 22 anos, nada parecia errado com ela. No entanto, 13 horas após seu nascimento, a mãe percebeu que sua filha estava urinando e defecando pelo mesmo lugar – a partir disso, um exame mais minucioso dos médicos constatou que a recém-nascida não tinha abertura anal.

Defeitos no ânus ocorrem em um em cada 5.000 bebês. De acordo com relatório médico, divulgado pelo Medical Journal Armed Forces India, nenhum dos exames realizados antes do nascimento da criança constatou qualquer tipo de má formação. Mãe e bebê estavam com boa saúde. Após o parto, os médicos presentes durante o nascimento disseram que examinaram o ânus e o consideraram “aparentemente normal”.

Porém, a deformidade no ânus da bebê estava encoberta por pele. Os exames mostraram que a menina tinha um reto normal, mas essa pele havia crescido sobre a abertura anal e um canal havia se desenvolvido entre o intestino e a vagina. Isso fazia com que as fezes viajassem através do canal, conhecido como fístula, e fossem excretadas de um orifício diferente do reto – o mesmo que libera a urina.

Na grande maioria dos casos, deformidades como essa não tem sua origem tão clara. As células da região anal podem, por exemplo, não se separar adequadamente ao longo do desenvolvimento da criança no útero, mantendo órgãos genitais e ânus unidos. Investigando o caso específico da bebê, cujo nome não foi revelado, os médicos não encontraram nenhuma condição genética que pudesse ser responsável pela deformidade da menina. Ainda de acordo com o relatório divulgado pelo Medical Journal Armed Forces India, os médicos ainda não haviam operado a bebê, mas afirmam que ela deverá ser submetida a uma cirurgia em breve, reparando a abertura anal e conectando-a ao intestino da criança, para que a evacuação ocorra normalmente.

 

Bebê sem pele

Ja’bari Gray, o menino que nasceu com um distúrbio na pele ainda não identificado pelos médicos, mas que faz com que ele não possua a maior parte da pele do pescoço para baixo, comemorou seu primeiro aniversário na véspera de ano novo. O bebê, que segue desafiando as expectativas médicas, ganhou uma festa temática do Baby Shark.

Nascido em 31 de dezembro de 2018, Ja’bari foi liberado do hospital apenas em novembro de 2019, 11 meses após seu nascimento. Apesar do prognóstico dos médicos de que ele não sobreviveria, agora o bebê está em casa com sua família. “Quando ele completou três meses e ainda estava no hospital, começamos a planejar seu funeral”, disse Priscilla Maldonado, mãe de Ja’bari, em entrevista à emissora de televisão americana ABC13.

Um laboratório em Boston, na costa leste dos Estados Unidos, especializado no tratamento de pacientes queimados, criou em laboratório tecidos de pele a partir das próprias células de Ja’bari. O enxerto foi bem-sucedido, mas outras duas cirurgias, que tinham como objetivo abrir os olhos da criança, não tiveram o resultado esperado. Mesmo assim, o menino segue lutando – seu nome, inclusive, significa “corajoso”.