Bebê é morto a socos e dentadas em Praia Grande

Mãe e padrasto de Anthony, de um ano e três meses, foram presos em flagrante no litoral paulista

Categorias

Compartilhe

Na manhã desta segunda-feira (6), um casal suspeito de matar Anthony Daniel de Andrade Moraes, de um ano e três meses, foi preso em flagrante em Praia Grande, litoral de São Paulo. De acordo com o laudo médico, o menino já foi levado morto ao hospital e apresentava mordidas no rosto, diversas fraturas e hematomas no corpo.

Segundo a TV Tribuna, o bebê foi levado à Unidade de Pronto Atendimento Samambaia pelo padrasto, Ronaldo Silvestrini Junior, de 22 anos, durante a noite de domingo (5). A polícia foi acionada após os enfermeiros encontrarem os hematomas espalhados pelo corpo de Anthony.

Anthony Daniel de Andrade Moraes (Foto: Reprodução Arquivo Pessoal)

Ao chegar no hospital, o menino apresentava uma mordida no rosto, que Ronaldo disse ter sido causada por um filhote de cachorro da família. A afirmação do padrasto, porém, foi contestada pelos profissionais da saúde que afirmaram ser uma dentição humana. Ronaldo contou, então, que a marca foi provocada por um outro filho, de cinco anos, do casal.

O padrasto relatou que depois de tomar a mamadeira, Anthony foi colocado para dormir às 19h de domingo. Após uma hora, a mãe do garoto, Giulia de Andrade Candido, de 21 anos, chegou do trabalho e contou ter avistado o filho de longe, enrolado em um cobertor. Sem a intenção de acordar o pequeno, saiu para comprar comida para a outra criança.

Às 23h30, Giulia se dirigiu até Anthony para olhá-lo, quando notou que o menino já estava morto no berço. O casal decidiu levar a criança à emergência enrolado no cobertor. Depois de serem questionados sobre o estado do menino, ocorreram contradições ao dizerem, primeiramente, que não se recordavam de terem machucado Anthony. Entretanto, na Delegacia, Ronaldo e Giulia afirmaram que o filho havia sofrido uma queda de uma escada em formato ‘caracol’ há dois dias, dentro da própria casa.

Depois da realização de alguns exames, foi comprovado que Anthony apresentava uma fratura no crânio, tórax, clavícula, no nariz, mandíbula e também a presença de sangue no ouvido e diversos hematomas na testa e no rosto. Giulia disse a polícia que não levou o filho ao hospital por conta do trabalho.

Ronaldo foi preso por homicídio triplamente qualificado e a mãe por falso testemunho, com uma fiança fixada em dez salários mínimos. O ocorrido continua em investigação pela Delegacia de Polícia Sede de Praia Grande. A família era da cidade de Bauru, interior do estado de São Paulo e estava morando no litoral há cerca de um mês.