Bebê de um ano é uma das vítimas de acidente aéreo no Irã

Kurdia, de apenas um ano, viajava acompanhada dos pais; toda a família morreu no acidente

Categorias

Compartilhe

Uma família da cidade de Toronto morreu no acidente de avião que aconteceu no Irã nesta quarta-feira (8). Evin e Hiva Molani viajavam com a filha de um ano, Kurdia, a passageira mais nova a bordo da aeronave, que realizava o voo 752 da Ukraine International Airlines.

Em entrevista à emissora de TV canadense CBC Toronto, Omid Arsalani, irmã de Evin, disse que o acidente deixou a família com o coração partido. “Neste ponto, não me importo com o que aconteceu, tudo que me importa é que perdi os membros da minha família”, disse Arsalani, chorando, pelo telefone.

Kurdia, de um ano, morreu com os pais no acidente aéreo que aconteceu no Irã (Foto: Reprodução/Facebook)

Omid Arsalani conta que a família chegou ao Irã em 8 de dezembro, para comparecer a um casamento. A última vez que ela falou com sua irmã foi em 2 de janeiro, seu aniversário de 30 anos. “Ela estava feliz, se encontrou com membros da família, pessoas que não via há anos”, conta Arsalani.

O voo 752 da Ukraine International Airlines partiu às 6h12 (horário local), com quase uma hora de atraso, do aeroporto Imam Khomeini, em Teerã, e tinha como destino o Aeroporto Internacional Boryspil, em Kiev, na Ucrânia. O avião caiu em Shahedshahr, no sudoeste da capital iraniana. A aeronave transportava 176 pessoas;  não houveram sobreviventes

Ao longo da manhã, a Organização da Aviação Civil do Irã anunciou que não entregará à Boeing e a investigadores americanos as caixas-pretas da aeronave. A Convenção Internacional de Aviação Civil, da qual o Irã é um dos países que faz parte, prevê que a investigação fique sob responsabilidade do país onde a aeronave caiu, ou de onde ela partiu – nesse caso, seria o próprio Irã. Porém, a convenção também prevê que o país fabricante e a empresa que o produziu, que é a americana Boeing, participem da investigação e tenham acesso às informações das caixas-pretas o quanto antes. Com o clima de tensão crescente entre Estados Unidos e Irã, Ali Abedzadeh, diretor da agência iraniana, afirmou em entrevista coletiva que a investigação será feita no Irã, conforme prevê a Convenção, mas que não entregará os equipamentos à fabricante Boeing e às autoridades americanas. Os representantes da Ucrânia, país-sede da companhia aérea Ukraine International Airlines, estarão envolvidos nesse processo.