Bebê adotada clandestinamente é sequestrada pela mãe biológica

Enquanto a polícia investiga o caso, a criança deve ficar sob responsabilidade do conselho tutelar

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Uma denúncia de sequestro, de um bebê de seis meses acabou se tornando uma história confusa;
  • Isso porque, tanto a vítima quanto a sequestradora tinham direitos de ficar com a criança;
  • Enquanto a polícia investiga o caso, a bebê deve ficar sob responsabilidade do conselho tutelar.

Uma denúncia de sequestro, de um bebê de seis meses acabou se tornando uma história confusa. Isso porque, tanto a vítima quanto a sequestradora tinham direitos de ficar com a criança. Enquanto a polícia investiga o caso, a bebê deve ficar sob responsabilidade do conselho tutelar.

De acordo com a ocorrência registrada por uma auxiliar de enfermagem de Ceilândia, município Goiano, a sua filha teria sido sequestrada pela própria babá. A mulher teria fugido com a bebê para a casa de familiares. E com essas informações, a polícia chegou até a mulher.

No entanto, o caso ficou curioso quando o delegado responsável pelo caso percebeu durante a investigação que a babá tinha dado à luz há cerca de seis meses. “Era a mesma idade da suposta filha da auxiliar de enfermagem que se dizia mãe da criança. Tivemos uma surpresa muito grande quando vimos algumas fotos da babá com a filha dela. Tratava-se da mesma criança. No entanto, quem figurava como a mãe da menina na certidão de nascimento era a funcionária pública”, explicou.

-Publicidade-
Bebê é sequestrada (Foto: Freepick)

Foi aí que os policiais se depararam com uma bebê que tinha duas mães: Uma biológica e outra que consta na certidão de nascimento. Intrigados, os investigadores aprofundaram as apurações e suspeitam de ter havido uma  adoção clandestina e ainda suspeitam que a babá tenha se arrependido e pego a criança de volta sem o consentimento da auxiliar de enfermagem.

Até que essas informações sejam confirmadas, a polícia investiga o caso e a bebê fica sob os cuidados do Conselho Tutelar local.