Absurdo: professores são orientados a comerem sobras das merendas

Escola Municipal em São Paulo fez um pedido que revoltou o corpo docente e a internet

Autor

Categorias

Compartilhe

Resumo da Notícia

  • Professores de São Paulo foram orientados a comerem sobras durante o período de trabalho
  • Funcionário da escola conta que a instituição chegou a emitir um aviso oficial sobre o tema
  • O que a lei diz sobre a alimentação dos professores durante o período em que estão na escola

Professores são orientados a comer sobras (Foto: Thought Catalog / Unsplash)

Os professores de uma escola municipal em São Paulo foram proibidos de comer a merenda escolar antes dos alunos. A permissão só é dada se houverem sobras. Os docentes, que também não recebem nenhum auxílio alimentação, se revoltaram contra a situação.

Segundo um professor da instituição, entrevistado pelo Jornal de Brasília pedidos como esse eram frequentes, mas nunca haviam sido documentados.  Em ata, o colégio especificou: “Alimentar-se de merenda após os alunos, não junto com eles, caso haja sobras”.

A Secretária da Educação do município, disse que na verdade são orientações. Ou seja, não proíbem a alimentação dos profissionais. O comunicado emitido pela escola, apenas pediu que as crianças fossem prioridade.  A unidade tem aulas nos períodos da manhã, tarde e noite.

-Publicidade-

O professor também contou que ele e seus colegas de trabalho passam até quatro horas sem comer. E só podem levar para a escola, alimentos permitidos.

É importante lembrar que existe um projeto de lei, aprovado em 2015, que garante a alimentação ao profissional da educação em atividade, durante o período letivo. Em uma reportagem para o portal da Câmara dos Deputados, a deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO) defendeu a medida. “É preciso criar meios para que os profissionais da rede escolar possam se alimentar adequadamente durante a jornada estendida de trabalho”, afirmou. Ela ressaltou, porém, que o intuito não é destinar aos professores “sobras de alimentação escolar”, o que “apequenaria e desrespeitaria a categoria”.